O penúltimo dia do Sintra Portugal Pro foi quase exclusivamente dedicado aos juniores, com os portugueses em excelente plano, nomeadamente Madalena Padrela, que venceu a primeira projunior World Cup feminina de sempre, e Joel Rodrigues a conseguir o terceiro lugar no projunior masculino, conquistado pelo espanhol David Miranda.

Ainda assim, o dia começou com sortes mistas para as cores nacionais: nos quartos de final do feminino Mariana Rosa bateu a francesa Mathie Goujon, enquanto a heptacampeã nacional Joana Schenker não resistiu ao surf da japonesa campeã do Mundo, Sari Ohhara, e viu-se afastada da prova.

Contas feitas, duas portuguesas marcam presença nas meias-finais da prova feminina principal deste Sintra Pro 2021: Mariana Rosa e Filipa Broeiro, esta última que no dia anterior já tinha assegurado esse lugar ao bater Teresa Padrela, outra portuguesa em ação na Praia Grande.

Mariana, de apenas 18 anos, sabe que terá agora uma tarefa muito difícil frente a Sari Ohhara nas meias-finais, mas diz-se confiante para o desafio: “É uma pressão. É o segundo heat em que encontro a Sari neste campeonato [a portuguesa superiorizou-se à japonesa na segunda ronda, mas ambas passaram] e sei que ela é uma grande atleta, porém sinto-me confiante no meu surf e sei que não é impossível ganhar.”

Entretanto, a outra protagonista do dia, Madalena Padrela, de 17 anos, que já havia sido afastada da competição feminina, ironicamente levou de vencida, precisamente, Mariana Rosa na final do projunior feminino. Deixando Constança Silva, outra portuguesa, em terceiro, e a francesa Mathilde Coudeyrat na derradeira posição desta final a quatro.

“Estou muito contente por ter ganho aqui, não estava à espera. Só ganhei graças ao apoio da minha treinadora, Catarina Sousa, da minha irmã e toda a minha família aqui na praia. O meu foco, desde o início, era a prova júnior, mas fiquei tão frustrada de ter perdido cedo na prova principal e acabei por ter aqui uma excelente compensação. Esta vitória mostra que o bodyboard feminino está de boa saúde em Portugal. E agora temos o Nacional na Figueira, para a semana, e depois disso o Esperanças na Póvoa de Varzim. É ação ‘non stop’”, disse a campeã.

No projunior masculino, destaque para Joel Rodrigues, que terminou em terceiro, com o canário David Miranda a vencer e o brasileiro Gabriel Silva em segundo. O francês Louka Zaninoto foi o quarto classificado desta final.

O Sintra Portugal Pro 2021, termina amanhã, com a atribuição do título mundial de Dropknee e a coroação dos campeões masculino e feminino da prova. Na competição masculina, Joel Rodrigues e Miguel Ferreira carregam as esperanças nacionais, enquanto Mariana Rosa e Filipa Broeiro terão a difícil tarefa de ultrapassar, respetivamente, a campeã mundial Sari Ohhara e a antiga 4x campeã mundial Isabela Sousa, do Brasil.

Como curiosidade, sinal dos tempos de pandemia que atravessamos, refira-se que hoje foi, mais uma vez, à semelhança do que aconteceu no arranque da prova, dia de testagem generalizada dos atletas para a COVID-19. Um esforço logístico só possível com o apoio da Cruz Vermelha Portuguesa, entidade que se aliou à organização, e sem a qual não teria sido possível satisfazer as exigências sanitárias da DGS. xxx

Fotos: João Araújo