O Sintra Portugal Pro teve o tiro de partida hoje na Praia Grande para a edição do 25.º aniversário, com alguns dos melhores bodyboarders do Mundo a lutar pela vitória nesta prova sancionada pela  IBC que decorre até domingo em águas nacionais. Em jogo, troféus nas divisões open masculina e feminina, projunior e dropknee, esta última com a atribuição do título mundial.

Dada a suprema importância da divisão de dropknee, este primeiro dia de prova foi quase integralmente dedicado a esta variante de bodyboard, com quatro rondas a serem disputadas e cinco dos principais suspeitos a destacarem-se: o francês da Ilha Reunião, Amaury Lavernhe, o sul-africano Iain Campbell, e os havaianos Dave Hubbard, Kawika Rohr-Kamai e Sammy Morretino, o campeão mundial de 2019 (em 2020 não foi atribuído o título).

No que toca às cores nacionais, os quatro portugueses Renato Paço, Tiago Pimentão, Rodrigo Vinhais e Nuno Pereira não foram além da ronda 2, com Pimentão a protagonizar a polémica do dia ao não lhe serem pontuadas duas ondas por, no entendimento dos juízes, estar a surfar já fora do limite da área de competição.

Sammy Morretino, que se sagrou campeão do Mundo na Praia Grande, em 2019, foi dos mais efusivos pelo regresso às águas sintrenses, tendo mesmo registado o maior score do dia (15,26) na terceira ronda.

“É bom estar de volta depois de um hiato de dois anos por causa da COVID. Adoro Portugal e a Praia Grande, ganhei aqui o título mundial e tem um lugar especial no meu coração. Depois, sinto-me muito confiante pois disputei uma prova em Kauai e venho com algum ritmo competitivo”, comentou o havaiano.

Houve ainda tempo para arrancar com a primeira ronda da divisão open masculina, com excelentes condições de mar, embora ainda sem os nomes mais sonantes do circuito mundial. A chamada para amanhã, quarta-feira, ficou marcada para as 7:30. xxx