O Circuito Mundial de Bodyboard terminou com a última etapa a ser disputada em Porto Rico. Foi aí que eu e os restantes aficionados do Bodyboard ficámos a conhecer o novo campeão mundial Projunior da modalidade, o brasileiro Sócrates Santana de 16 anos (faz 17 no próximo dia 22 de novembro). Aliás, Sócrates é o primeiro campeão júnior da história do Brasil.

Agora, o que a maior parte dos leitores desconhece é precisamente o facto de que Sócrates Santana, juntamente com Matheus Bastos (17) e David Barbosa (18), todos eles competidores na APB Tour e na luta pelo troféu júnior mundial em 2015, serem oriundos das favelas do Rio de Janeiro.

Sócrates e Matheus vivem na Favela Pavão-Pavãozinho, que dá para as praias de Copacabana, enquanto David vive na Rocinha que é uma das maiores e mais perigosas favelas do Brasil.

Entre o processo de iniciarem a competição até se encontrarem a lutar pelo título mundial, eles acabaram por ser o principal rosto de um novo movimento; um movimento que mostra o importante papel das ações sociais e de todo o trabalho que as escolas e os clubes locais realizam diariamente nas praias cariocas.

Mais do que isso, o sucesso dos três no mundo do Bodyboard serve acima de tudo para mostrar que existe uma alternativa ao crime e ao ambiente hostil que rodeia muitos jovens brasileiros. Para além do que eles próprios conquistaram, estão igualmente de parabéns as escolas que os formaram – Escola de Bodyboard de Copacabana, situada no Posto 5, e a Escola de Bodyboard da Rocinha, em São Conrado -, afastando-os de uma vida que a nada levava.

A Brazilian Storm do mundo do surf já conhecemos faz tempo. Há pouco tempo também nos foi dada a conhecer a Portuguese Storm com a participação de três surfistas lusos no WCT de Peniche. Pois bem, meus amigos, está na hora de conhecerem a #FavelaStorm !!!


Nota: Texto baseado numa crónica de Steve Jackson.

Comentários