Pierre-Louis Costes e Filipa Broeiro foram os grandes vencedores da segunda etapa do Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2021, na Praia do Cabedelo, Figueira da Foz. Uma segunda etapa que acaba por ser a inaugural face ao inesperado cancelamento da primeira – em São Jacinto, o mês passado.

PLC já tinha avisado que estava na Figueira para fazer estragos, tendo apresentado o score mais alto do primeiro dia de competição (16 pontos em 20 possíveis), mas esperou pela final para abrir o livro com os seus famosos backflips e vencer uma bateria que relegou para quarto lugar o vice-campeão nacional de 2020 e 10x campeão nacional Manuel Centeno. Já Ricardo Rosmaninho ficou em terceiro lugar, enquanto Miguel Ferreira, antigo campeão europeu júnior e um dos grandes destaques da prova, ficou na segunda posição.

Pelo caminho, nas meias-finais, ficou o atual campeão nacional, Daniel Fonseca, que não resistiu a uma bateria em que saíram por cima, precisamente, Miguel Ferreira e Ricardo Rosmaninho.

Curiosamente, na competição feminina, Joana Schenker, campeã nacional em título, partilhou a mesma sorte, caindo nas meias frente às Padrela, Teresa e Madalena. Uma eliminação prematura da heptacampeã nacional para a qual contribuiu fortemente uma lesão lombar para a qual Joana estava a ser medicada há vários dias e que chegou a colocar em causa a sua participação nesta etapa, mas que não retira mérito à excelente exibição das jovens emergentes atletas da Linha de Cascais.

Para que se perceba a raridade do sucedido, em sete anos, esta é apenas a segunda vez que Schenker não se qualifica para uma final do circuito nacional. Contudo, o dia foi mesmo de Filipa Broeiro, de 20 anos, que está a atravessar um excelente momento de forma. Depois de chegar a uma histórica final do Sintra Pro na semana passada, Filipa surfou de forma dominadora até à vitória na Figueira, batendo a concorrência na derradeira bateria (Teresa e Madalena Padrela, segunda e terceira classificadas, respetivamente, e a vice-campeã nacional Teresa Almeida, em quarto lugar).

“Sinto-me completa. Dei o meu melhor e o início da bateria nem me correu bem. A Teresa Padrela fez um grande ‘rollo’ à minha frente, e que até elogiei, mas depois surgiram as ondas certas e… acontece”, disse Filipa. 

Paralelamente à competição deste segundo último dia de prova, vale evidenciar a expression session levada a cabo na noite anterior, a tirar proveito da recém-inaugurada iluminação pública do molhe sul da praia do Cabedelo e que abre a possibilidade de ter surf noturno de forma regular na Figueira da Foz. 

O Circuito Nacional de Bodyboard segue agora para os Açores, nomeadamente, para a onda de Santa Catarina, na ilha Terceira, onde se realizará a terceira etapa, nos dias 2 e 3 de outubro. xxx