O artista Armand Dijcks e o reconhecido fotógrafo Ray Collins uniram esforços para criar algo muito especial. Eles deram-lhe o nome de “The Infinite Now” e, na prática, Dijcks pegou em algumas magníficas fotos aquáticas do vasto arquivo de Collins, todas elas revelando formas e cores de ondas incríveis; e passou a animá-las através de motion graphics.

É um cruzamento entre a fotografia e o vídeo, onde ambas se fundem e criam a ilusão de um movimento infinito – dando azo a um momento único que acaba por ser eterno.  

A técnica assenta na duplicação de uma só imagem, em vários “layers”, um sobre o outro, que acaba por produzir em quem observa a sensação de um movimento infinito. É um meio que inspira quem vê e coloca ambos os profissionais num nível de destaque superior ao habitual.

 A cereja no topo do bolo surge quando André Heuvelman, da Orquestra Filarmónica de Roterdão, se junta ao pianista Jeroen van Vliet para criar a música de fundo. 

Surf Art simplesmente fabulosa. 

Comentários