Podemos afirmar que o percurso de treino e caminhada nos desportos de ondas do nosso entrevistado começou aos 8 anos de idade, quando foi levado pela mão do seu pai a visitar um Dojo de Artes Marciais (Karaté). Foi aí que Romeu Ribeiro encontrou a fuga a uma família tradicional portuguesa ligada à Arte Equestre. A partir desse dia a ligação com o meio foi uma constante tendo construído praticamente toda a sua vida em torno da paixão pelo treino físico. 

Olá Romeu. Primeiro que tudo, vamos pedir que nos fales um pouco do teu percurso nestas lides de treino físico e bem-estar. 

Comecei aos 8 anos no Karaté (Goju-Ryu). Só mais tarde, aos 12, conheci os desportos de ondas, através de uma prancha de bodyboard oferecida pela minha mãe. A ligação ao Oceano acabou por ser um verdadeiro encontro com o meu “eu” interior e levou-me a perseguir o meu sonho de vida, sem nunca olhar para trás. Cedo cheguei à perceção de que a minha paixão e o meu envolvimento com estes dois elementos – a Água e a Terra – eram na verdade o meu Yin e Yang. Numa jornada de fortes emoções, procurei encontrar o melhor destes dois mundos e desenvolvi uma “obsessão positiva” que é a de partilhar a arte dos movimentos funcionais com o peso corporal, o que acabei por aplicar em todas as áreas em que estive envolvido. 

Desde meados dos anos 80 passei pelo Karaté e outras Artes Marciais, como Ninjutsu, Kempo, Kick-Boxing, Boxe e ainda troquei algum conhecimento da filosofia do Jeet Kune Do (arte do Mestre Bruce Lee). Durante o Serviço Militar Especial (1996-1999) tive oportunidade de dar continuidade e aprofundar a técnica no Boxe, ligação que permaneceu até 2004. Curiosamente, no mesmo ano em que entrei no serviço militar convidaram-me para participar numa expedição de surfistas às Maldivas. Nessa altura, a minha ligação com o mar começava a ser uma constante realidade e a necessidade de encontrar um treino adequado às modalidades que praticava foi sempre um objetivo pessoal. Essa primeira oportunidade de viajar para as Maldivas fez brotar um sonho, que era o de poder viajar e perseguir as melhores ondas, no sentido de melhorar a minha técnica de surf e de “underwater training”. Desde as melhores ondas do Pacífico, passando pelas ondas perfeitas do Índico e explorando os segredos do Atlântico, ao longo de mais de 20 anos adquiri experiência e conhecimento em vários desportos de ondas, sendo o Bodyboard um deles. 

Entre 2004 e 2015 desenvolvi e produzi vários projetos de treinos específicos, comunicação e ativação ligados aos desportos de ondas, que me permitiram trabalhar não só com os melhores atletas e profissionais como também com as marcas e empresas do meio.

Em finais de 2008 parti de malas e bagagens para a Indonésia com a finalidade de desenvolver as habilidades como surfista e aficionado da Arte Suave, mais conhecida como Brazilian Jiu-Jitsu, e abrir o meu Surfcamp em Sumatra. Em Bali, fui guiado por mentores do Jiu-Jitsu, os professores faixas pretas Paul Haffenden (Royler Gracie Master) e Aran Bean (Yuki Nakai). Acabei por aperfeiçoar e partilhar a minha metodologia de treino, melhorei os conhecimentos na área do Jiu-Jitsu e MMA. Também participei em vários seminários e explorei o meu potencial de preparador físico com os melhores atletas juniores e seniores do Surf e de MMA, sempre demonstrando a importância da mobilidade física e do melhoramento na capacidade de respiração através do “underwater training”. Este método foi, aliás, reconhecido por vários meios de comunicação e empresas na área do surf na Ásia, como sendo o treino mais completo e eficiente existente.

À medida que desenvolvia o meu projeto em Sumatra, que ficava numa área muito isolada, a existência de um método de treino funcional tornou-se numa absoluta necessidade. Foi nessa altura, através das participações em seminários e workshops, com amigos e professores de Jiu-jitsu, que ouvi falar pela primeira vez do Mestre Álvaro Romano. Este professor de desporto, de nacionalidade brasileira, desenvolveu uma técnica inspirada nos movimentos dos animais. É o mentor e impulsionador da Ginástica Natural. Estes movimentos de chão, combinados com as técnicas de alongamento, flexibilidade e respiração do Hatha Yoga, que são os movimentos naturais, em conjunto com a força criada pelo peso corporal, compõem a Ginástica Natural.

(…) quem procura encontrar uma prática física complementar ao Surf ou Bodyboard esta metodologia de treino pode trazer uma dinâmica mais abrangente, com a vantagem de não necessitar de recurso a materiais ou aparelhos.

Sabemos que tens vindo a introduzir a Ginástica Natural nos teus treinos. Fala-nos das principais características desta prática e da sua técnica. Por exemplo, que tipo de vantagens e benefícios poderão os surfistas recolher na sua prática?

A introdução de movimentos da Ginástica Natural no meu plano de treino diário surgiu muito naturalmente, pois, na altura em que vivia em Bali, treinava em média 8 horas por dia, sem contar com o Surf/Bodyboard/SUP, pelo que tinha necessidade de ter mobilidade e flexibilidade com uma recuperação rápida entre os treinos. Foi então que o nome do Mestre Álvaro (fundador da Ginástica Natural) surgiu em conversa com um amigo, o Gesias Calvacante (Campeão do Mundo de MMA), que me visitou em Bali, onde treinámos juntos e partilhámos alguns exercícios de treinos funcionais. 

Num desses treinos, ele falou-me sobre esta metodologia e as semelhanças dos meus treinos com a mesma. Foi a partir deste momento que comecei a seguir a metodologia e, através do amigo Renato Vianna (Free Surfer e Waterman), comecei  conversar diretamente com o Mestre Álvaro sobre a possibilidade de frequentar o curso.

Os fundamentos desta metodologia vêm do trabalho físico usando apenas a força corporal recorrendo a inúmeros grupos musculares e articulações na execução de um único movimento. Para estabilizarmos os músculos para realizar movimentos eficazes e alinhar a postura para um movimento perfeito, somos forçados a controlar e fortalecer a nossa estrutura muscular que leva à estabilidade do corpo.  Nesta integração das articulações e grupos musculares em vários planos de movimento a massa corporal desenvolve-se proporcional e uniformemente, levando a um melhor desempenho e redução de lesões.

É aqui que, na minha opinião e pela minha experiência, quem procura encontrar uma prática física complementar ao Surf ou Bodyboard (pois existe uma diversidade de exercícios adequados às necessidades de todas as modalidades), esta metodologia de treino pode trazer uma dinâmica mais abrangente, com a vantagem de não necessitar de recurso a materiais ou aparelhos. A necessidade de melhoramento da minha mobilidade física veio encontrar nesta metodologia tudo isso e mais alguns benefícios. Para além dessa minha necessidade, trouxe-me uma maior resistência, equilíbrio, estabilidade corporal, uma maior recuperação e consciência do uso do peso corporal para as exigências das modalidades que fazem parte do meu dia-a-dia.

O que dirias a alguém que quer experimentar?

Antes de mais, sugiro que em vez de perderem tempo a tentar ver vídeos de forma a entender este tipo de exercícios, que tentem frequentar umas quantas aulas com treinadores certificados desta metodologia, pois muitas vezes aquilo que parece ser um simples movimento pode ser muito mais do que isso e pode potenciar algum tipo de lesão que leve a pessoa a ter de parar de treinar. 

Estes movimentos de chão, combinados com as técnicas de alongamento, flexibilidade e respiração do Hatha Yoga, que são os movimentos naturais, em conjunto com a força criada pelo peso corporal, compõem a Ginástica Natural.

O que é preciso para ser um bom praticante de Ginástica Natural?

Eu diria que todos podem praticar. Nos últimos seis meses que tenho vindo a partilhar esta metodologia de treino já contei com adultos e crianças. Uma pessoa com 80% de incapacidade física levou-me a adaptar todo o treino para dentro de água. Tive a minha mãe, com 78 anos, a fazer exercícios de mobilidade para as ancas, onde já foi submetida a seis cirurgias. Tive ainda uma linda criança de 3 anos, o António, que me fez recordar como é bom trabalhar estes pequenos guerreiros e que a minha criatividade nas atividades físicas não vai ter limites. Posso afirmar que os benefícios que esta prática proporciona deixa todos muito satisfeitos com os resultados. Em todo o caso, penso que muitas vezes não é o tipo de atividade física que leva o praticante a encontra o sucesso, mas antes quem motiva essa prática. 

O método de treino desenvolvido por ti, porém, é um pouco mais abrangente. Além da Ginástica Natural, vai também buscar exercícios de outros desportos…

Não é que seja mais ou menos abrangente, a Ginástica Natural entra na metodologia como um alicerce da ponte que tenho estado a construir. Conforme partilhei, o meu percurso desportivo foi e também é muito abrangente, o que faz da minha filosofia de treino também muito diferente daquelas metodologias pensadas para grandes superfícies de treinos, que se baseiam nas teorias ou estratégias de vendas. Não estou com isto a dizer que a minha metodologia de treino é a melhor ou pior, que não tenho estratégia de vendas, mas apenas faço e procuro ir ao encontro das necessidades das pessoas que me procuram, no mercado que eu próprio faço parte há mais de 25 anos. Quem me conhece ou já teve a oportunidade de treinar comigo sabe que as minhas sessões de treino nada têm a ver com aquilo que se fazem nos locais habituais onde se vai exercitar. Gosto de estimular os meus alunos a encontrar equilíbrio, sucesso e satisfação, não só na sua ocupação profissional, mas também no seu estilo de vida. A minha ligação e experiência nos desportos de ondas e atividades ao ar livre levaram-me a uma nova tendência de prática desportiva e que, por sinal, já tem bastante gente interessada, baseado no meu próprio know-how e na minha experiência de vida: a combinação do Surf (desportos de ondas), Mobilidade Física/Coordenação Motora e Underwater Training faz os pilares da minha metodologia. Qual o seu nome? Ainda não sei… pois todos os dias procuro aprender e ir ao encontro de novos desafios. Penso que, quando chegar a altura, irei encontrar o seu nome, pois de momento apenas me limito a demonstrar um pouco daquilo que aprendi com os meus Mestres.

(…) o meu percurso desportivo foi e também é muito abrangente, o que faz da minha filosofia de treino também muito diferente daquelas metodologias pensadas para grandes superfícies de treinos, que se baseiam nas teorias ou estratégias de vendas. 

Sabemos que tens vindo a trabalhar com atletas de topo de diferentes desportos. Que tipo de necessidades apresentam os atletas quando te procuram?

Sim. Na realidade e nos últimos 10 anos, tenho vindo a estar mais tempo junto do Jiu-Jitsu Brasileiro e nesta relação tive oportunidade de evoluir e trabalhar com alguns dos melhores atletas mundiais e nacionais desta área. Porém, se olharmos para o passado, facilmente damos conta que já acompanho e/ou treino pessoas ligadas ao Surf há muitos mais anos. Eu é que nunca senti vontade de assumir-me como treinador de ninguém,”Sou o Romeu”, como costumo dizer aos amigos e conhecidos, aquilo que faço nos meus treinos é sempre com paixão e muita satisfação.

A minha passagem por Bali despertou em mim a capacidade de partilhar a minha filosofia de treino e foi junto duma comunidade muito abrangente que acabei por encontrar a motivação e vontade de trabalhar nesta área.

Quando regressei a Portugal, há três anos, encontrei-me várias vezes com vários amigos de longa data da área do Boxe, Jiu-Jitsu e Surf e foi quase instantâneo o interesse destas pessoas amigas em quererem estar comigo nesta caminhada e criar boas rotinas. Treinei, pesquisei e estudei muito nos últimos anos de onde resultou um trabalho magnífico com várias pessoas, entre elas campeões mundiais de Jiu-Jitsu, campeões europeus de Surf, surfistas de ondas grandes, Pugilistas, professores de universidade, mestres de metodologias de treinos e nutricionistas.

Todos me deram conhecimento e ferramentas para melhorar e desenvolver de futuro as soluções de treino e nutrição enquadradas às necessidades das novas gerações. Penso que o mais importante não é falarmos das necessidades de cada uma dessas pessoas que tenho acompanhado, pois o mais importante é sabermos que existe hoje um grupo de pessoas envolvidas a tentar encontrar o caminho para uma vida saudável. 

Última questão. Onde podemos encontrar-te para usufruir de um treino especializado? 

Onde passo a maior parte do meu tempo a dar os treinos aos meus alunos é num espaço na Costa de Caparica, o Dr. Bernard, que, para além ser um espaço com uma oferta variada de serviços ligados a um estilo de vida saudável, está situado mesmo em frente à praia, facto que permite não só dar as sessões de treinos num espaço super agradável, como também, quando o tempo permite, fazê-lo ao ar livre ou mesmo dentro de água. De momento, com a situação atual limitativa da COVID-19, estou a dar as aulas online, faço algumas sugestões através do Instagram do Dr. Bernard, através da Zoom e através das minhas aplicações das redes sociais. xxx

Comentários