Vai haver praia este ano, mas, atenção, terão que ser cumpridas muitas regras. 

A garantia foi dada pela comissão técnica liderada pela Agência Portuguesa do Ambiente que decidiu que cada praia vai ter um número máximo de pessoas, têm de haver distâncias mínimas entre sombras e pode passar a ser obrigatório usar máscara em cafés e restaurantes.

Catarina Gonçalves, coordenadora do projeto Bandeira Azul, considera que as praias não podem ser exceção. Têm de haver regras para um espaço que junta tantas pessoas. O distanciamento social irá continuar a ser obrigatório. 

“Terão de haver regras de distanciamento, quer seja no estacionamento, na entrada e saída da zona balnear, os apoios de praia têm de ser higienizados e desinfetados, tal como as instalações sanitárias. Vai ter de se usar máscara dentro dos restaurantes, esplanadas ou mesmo deixar de haver incentivo à socialização neste tipo de espaços”, explicou.

A coordenadora do projeto Bandeira Azul estima que um manual anti-Covid nas praias seja conhecido no início de maio.

Temos de fazer um planeamento a curto prazo e não a longo prazo.

“Estamos a planear ter este manual pronto no início de maio. Como qualquer situação que se esteja a planear temos sempre de ter em conta que pode mudar de um dia para o outro. Temos de fazer um planeamento a curto prazo e não a longo prazo. Estamos a basear-nos na lei, que diz que a época balnear começa a 1 de junho e termina a 30 de setembro, mas podem haver alterações, obviamente”, acrescentou a coordenadora do projeto Bandeira Azul.

O projeto Bandeira Azul vai estar atento ao cumprimento destas regras e as praias que não cumprirem as normas anti-Covi-19 perdem a distinção de qualidade.

O surto do coronavírus já causou mais de 177 mil mortes em todo o mundo. Em Portugal, registam-se 785 óbitos.

Comentários