A duas etapas do final do Campeonato Nacional de Bodysurf ALMA 2017, a luta pelo título de Campeão Nacional está bem acesa e seguem-se momentos decisivos. O atual detentor do título, Miguel Rocha, lidera o ranking com uma pequena vantagem, e matematicamente são vários os cenários possíveis, com alguns atletas ainda na disputa pelo título. 

A penúltima etapa realiza-se no fim de semana de 15 e 16 de julho, em Santa Cruz, inserida no Festival Ocean Spirit, e será um momento decisivo para cimentar as posições no ranking e o título de Campeão Nacional de Bodysurf 2017.

O aumento da competitividade é notório de ano para ano, e esta terceira edição do Campeonato Nacional de Bodysurf tem proporcionado algumas surpresas, com finais sempre muito renhidas e disputadas até ao último segundo. 

“Este ano o nível está altíssimo e a prova disso é estarem vários atletas na luta pelo título,” analisa Miguel Rocha. “Espero poder revalidar o título de campeão nacional mas a verdade é que há mais atletas a merecer também,” acrescenta o campeão nacional, prevendo uma competição saudável até ao fim com os adversários de peso Rodrigo Carrajola, António Stott e Henrique Madeira, que por esta ordem ocupam os lugares de topo do ranking.

Nesta fase final e decisiva do circuito, foco é a palavra de ordem entre os atletas que têm demonstrado mais consistência de resultados. Entre eles Rodrigo Carrajola, que este ano já venceu uma etapa e não esconde o objetivo de se tornar Campeão Nacional de Bodysurf, e António Stott, o primeiro campeão nacional de Bodysurf, que continua a ser um sério candidato ao título: “Sinto-me motivado e com boas expectativas para as restantes etapas. Estou focado em reduzir ao máximo a distância para o topo do ranking”.

Depois da quarta e penúltima etapa em Santa Cruz, o circuito termina em setembro a norte do país, na praia da Vagueira, em “casa” do atual campeão nacional. “Apesar de poder já sagrar- me campeão na próxima etapa em Santa Cruz, acho que a luta se vai decidir na (#melhorpraiadomundo), Praia da Vagueira, onde espero ter o tão importante apoio que tenho tido dos Vagueirudos!”, conclui Miguel Rocha.

As contas estão feitas e o desejo comum é que a(s) boa(s) onda(s) acompanhe(m) esta fase decisiva do Campeonato Nacional de Bodysurf ALMA 2017!

Comentários