Escreveu-se História no Sintra Portugal Pro, com a bandeira portuguesa a subir ao lugar mais alto do pódio pela terceira vez em 22 anos de evento, graças a Joana Schenker, bodyboarder algarvia que bateu a ex-campeã mundial Alexandra Rinder (Ilhas Canárias) numa final emocionante. Em terceiro lugar, a campeã mundial em título, Isabela Sousa (Brasil).

Vale realçar que apenas Manuel Centeno, em 2003, e Catarina Sousa, em 2009, ergueram o troféu de campeões na Praia Grande. Joana Schenker, por sua vez, já havia sido finalista vencida o ano passado. 

Imediatamente após a buzina que anunciou o fim da final feminina e o triunfo histórico de Joana Schenker, a atleta de Vila do Bispo não conseguia esconder a profunda emoção:

“Nem tenho palavras para o que esta a acontecer, é um sonho tornado realidade. Lembro-me de ter vindo a este campeonato pela primeira vez há 14 anos e vê-las vencer aqui e parecia-me uma coisa do outro mundo. Agora, ao fim destes anos todos, conseguir o mesmo… é fruto do trabalho, se calhar é isso.”

Esta vitória, na prova mais pontuada do circuito feminino, lança a portuguesa no rumo de um eventual título mundial profissional, feito que seria inédito para um bodyboarder nacional.

“Agora vou começar a pensar no Mundial, pois esta vitória abre-me a porta para a possibilidade de ser campeã mundial. Agora tudo é possível e gostaria de dedicar este título ao Francisco Pinheiro, a pessoa que me tem acompanhado sempre, que me tem acompanhado sempre e que me dá mais nas orelhas ”, assumiu Schenker em tom de brincadeira.

Noticia_Sintra17fimC

Destaque também para o triunfo do havaiano Sammy Morretino na prova de Dropknee que assim conquistou o seu primeiro título mundial numa final frente ao compatriota Dave Hubbard, heptacampeão do Mundo e lenda viva da modalidade. O terceiro lugar ex-aequo foi para o perunano César Bauer, outro antigo campeão mundial da especialidade, e para o francês Amaury Lavernhe.

“Há 10 anos que assisto a este evento online e é fantástico estar aqui e ganhar. E bater o Dave Hubbard para o título mundial é incrível, uma benção dos céus,” acabou por dizer Morretino.

Luís “Porkito” Pereira (na foto) ainda se qualificou para os quartos-de-final. O bodyboarder da Figueira da Foz, campeão nacional da especialidade, viria a perder mais tarde com o havaiano Sammy Morretino, mas carimbou um excelente quinto lugar naquele que já é considerado o mais competitivo concurso de Dropknee do Sintra Portugal Pro de sempre.

O próprio Luís encarou a derrota frente a Morretino, o atual campeão mundial da especialidade, de forma positiva: “Estou contente. É um quinto lugar no Mundial, já tinha conseguido o quarto mas penso que o nível este ano é o melhor de sempre, por isso, estou satisfeito. Aliás, nenhum dos heats era fácil, mas penso que defrontei o homem que vai vencer o campeonato”.

Noticia_Sintra17fimB

Na prova Open, as honras foram para o sul-africano Ian Campbell, líder do ranking APB, que bateu o brasileiro Uri Valadão por uma boa margem. Alex Uranga foi terceiro classificado. O campeão mundial em título, Pierre-Louis Costes, ficou-se pelo quarto lugar.

“Foi uma semana complicada, com condições loucas, por isso vencer assim é excelente. Qualquer vitória no Mundial é preciosa, mas ainda não estou a pensar no título mundial, ainda temos mais alguns eventos e há que manter a cabeça fria até ao fim,” foram as palavras do campeão.

Finalmente, no Pro Junior (sub-21), vencido pelo atleta júnior Bruno Martin, de Espanha, excelente prestação dos portugueses Tomás Rosado e Joel Rodrigues, eliminados na meia-final.

Comentários