Golpe de teatro na Praia Grande, com o quarto dia (ontem) do Sintra Portugal Pro 2016 a coroar Isabela Sousa campeã do Mundo pela quarta vez. As contas do título bateram certo após a eliminação da japonesa Sari Ohhara, nos quartos de final, e a vitória de Isabela nas meias, frente a Teresa Almeida, numa conjugação de resultados inesperada até para a própria Isabela.

 “Sinceramente, estou surpreendida, pois nem tinha feito as contas e estava convencida que só poderia vencer o título na Nazaré. Aliás, quando toda a gente me veio dar os parabéns na areia eu estava a dizer-lhes que não, que estavam enganados! [risos]”

Isabela tem uma excelente relação com a Praia Grande e o Sintra Portugal Pro, que já ganhou três vezes. Uma ligação tão boa que já deu origem a uma superstição, conforme nos contou: “Eu e o meu irmão criámos a superstição que para ganhar o título mundial teria de ganhar em Sintra. Agora, parece que para bater tudo certo novamente tenho de vencer aqui, não é?…”

O único obstáculo à pretensão de Isabela em fazer do Sintra Portugal Pro 2016 uma tirada perfeita é, agora, Joana Schenker, que bateu Alexandra Rinder, campeã mundial de 2015, na outra meia final do dia.

Espera-se agora um duelo emocionante na final, com a portuguesa e a, agora, tetracampeã mundial. Um confronto que Joana Schenker perspectiva com a maior calma: “Vou entrar sem expetativas. A Isabela Sousa é a melhor bodyboarder do Mundo e tenho-lhe o maior respeito. Não tenho a pretensão de entrar e ir ‘varrer’ a Isabela. Aconteça o que acontecer, vou sair da Praia Grande com um excelente resultado.”

E é, de facto, um desfecho feliz para Joana, que ontem, nos quartos de final, teve uma jornada atribulada, depois de passar a noite anterior e a manhã a vomitar devido a uma severa intoxicação alimentar.

“Fui para a água apenas com água e açúcar no sistema. E consegui porque a competição foi de tarde. De manhã, teria sido impossível competir pois quase não estava em condições de andar”, relata a bodyboarder de Sagres.

Juniores nacionais caem frente a vedetas internacionais

A excelente prestação dos atletas portugueses no Pro Junior terminou hoje (ontem) nas meias finais, com Nuno Cintra e Tomás Rosado a serem eliminados pelo campeão do Mundo Sócrates Santana e pelo “puto maravilha” do bodyboard mundial, Tanner McDaniel. Por seu turno, Miguel Ferreira e André Rodrigues não resistiram aos mais experientes Diego Sousa, do Brasil, e Bruno Martín, de Espanha.

 Havaiano Dave Hubbard “ameaça” revalidar título de Dropknee

Num dia em que a organização deu descanso à competição Open, houve também mais espaço para a variante de Dropknee, que terá na Praia Grande a sua única etapa  Mundial e, consequentemente, o seu campeão. E o seis vezes campeão mundial da especialidade, Dave Hubbard, parece apostado em somar mais um troféu à sua montra. O havaiano somou o maior total do dia, 17,00 pontos (8,00 e 9,00) em mais uma demonstração impressionante de domínio.

Da representação nacional, apenas Nicolas Rosner, o luso-germânico que compete com a bandeira alemã, conseguiu qualificar-se para os quartos de final, tendo Tiago Pimentão sido aquele que conseguiu levar as cores portuguesas mais longe, mais concretamente, até à terceira ronda, onde perdeu com o ex-campeão mundial Cesar Bauer e Pancho Galdos, ambos do Peru. De resto, Renato Paço, Bruno Dias e Diogo Pimenta não lograram passar a segunda ronda da competição.

Fica sintonizado para o resumo de hoje.


Fotografia: João Araújo/APB

Comentários