O Presidente da República anunciou o fim do Estado de Emergência a 2 de maio e assume esperança para que não voltem a ser necessárias medidas restritivas devido ao coronavírus.

“O fim do Estado de Emergência não é o fim do surto. E as duas coisas são inseparáveis: a retoma por pequenos passos e, por outro lado, a preocupação de controlo permanente da situação. Aqui a ideia já não é a de fechamento, já não é a de utilização de um instrumento drástico e radical, é a de utilização de outros instrumentos”, frisou. 

Por esse motivo, os portugueses têm de ter a noção de que a contenção e o controlo da situação continuam a ser importantes. “Por isso os pequenos passos e por isso a sua avaliação constante também. Essa é a chave do êxito desta terceira fase, após a qual haverá uma quarta fase e nessa quarta fase se poderá dizer que espera-se verdadeiramente a aproximação do termo do surto tal como ele nasceu e o conhecemos até agora”, concluiu.

O Estado de Emergência vigora em Portugal desde 19 de março. Há cerca de duas semanas, quando foi renovado pela segunda vez por novo período de 15 dias, tanto Marcelo Rebelo de Sousa como o primeiro-ministro, António Costa, disseram esperar que fosse a última.

Portugal irá agora passar para o Estado de Calamidade Pública, um nível inferior, e, embora a maioria das medidas restritivas se mantenham, a prática de surf/bodyboard deve voltar a ser possível, desde que se cumpram as já habituais regras de distanciamento e segurança.

Vamos aguardar. xxx

Comentários