Armide Soliveres, das Ilhas Canárias, tornou-se esta manhã novo campeão mundial Pro Junior da APB Tour. O canário venceu na bateria final Luan Tavares, do Brasil, nas ondas da Praia da Arda, em Viana do Castelo, por 15.65 versus 12.75 pontos.

(Comunicado)

Depois do pesadelo da véspera, em que o nevoeiro obrigou a um adiamento extraordinário do derradeiro dia do Viana World Bodyboard Championships, o sol e as ondas sorriram ao espanhol das Canárias Armides Soliveres, o novo campeão mundial de juniores, e a Tristan Roberts, sul-africano que herda o título Open de Viana do compatriota Iain Campbell.

Armides, de 16 anos, oriundo da Gran Canária, concluiu a final que havia sido interrompida ontem da mesma forma que a deixou: no comando, batendo Luan Tavares por convincentes 15.65 pontos contra 12.75 do adversário brasileiro.

Soliveres admitiu que “todas as baterias foram difíceis”, até pelas características do mar, explicou: “É normal que seja difícil, afinal, é um Mundial, todos os competidores são bons. E, ainda por cima, parecia que havia mais esquerdas e eu sou mais forte para a direita, mas os treinos compensaram!”

Quanto ao futuro, o sonho é uma carreira profissional de bodyboard, mas há outros objetivos para o espanhol que se fez acompanhar dos pais:“Tenho apenas 16 anos e a minha prioridade são os estudos. Mas sim, sonho um dia ser campeão do Mundo Open.”

Um pouco mais velho, com 21 anos, e um pouco mais experiente, o sul-africano Tristan Roberts está também mais próximo de realizar o sonho que partilha com Armides Soliveres. Para já, mostrou capacidade para tal ao vencer a competição Open do Viana World Bodyboard Championships, deixando pelo caminho aquele que era apontado como o principal favorito, o francês Pierre-Louis Costes, nas meias finais, e batendo o basco Alex Uranga na final (12.50 contra 11.90).

Tristan mostrou-se muitíssimo contente e até surpreendido com o desfecho do seu percurso na prova minhota: “Estou super contente. Tive muitas dificuldades neste campeonato, sem confiança e desencontrado com as ondas, mas finalmente consegui reencontrar-me e levantar-me do chão. Penso que o ponto de viragem foi mesmo o heat com Pierre-Louis Costes, ele estava a fazer um campeonato incrível, com notas de 9 e 10, e passei muito tempo a pensar como ia ultrapassá-lo até que decidi fazer o meu surf e ver o que acontecia…”

Quanto à cidade de Viana, que Roberts visita pela terceira vez, o desejo é de regressar, se possível, defendendo o título: “Gosto muito de Viana. Faz-me lembrar um pouco a minha cidade natal, Onrus Hermanus, na África do Sul, com a sua atmosfera descontraída, gente hospitaleira e a proximidade com o mar. Adorei estar cá e espero repetir.”

Para a organização, foi o culminar de um trabalho hercúleo mas com retorno  assegurado, conforme explica o presidente do Surf Clube de Viana, João Zamith: 

“Mais uma vez, fez-se história em Viana, ao assumir um risco inédito para o circuito mundial, como foi alargar o período de competição em mais um dia. Mas todo o esforço da APB, atletas, staff técnico e, sobretudo, organização a cabo do Surf Clube de Viana, teve um prémio merecido: um novo campeão mundial e um notável espetáculo de bodyboard.”

Esforço traduzido também em investimento financeiro, conforme detalha o dirigente máximo do SCV: “Este campeonato teve um investimento financeiro na ordem dos 140 mil euros, suportado pela Câmara Municipal de Viana do Castelo, IPDJ e patrocinadores. É o sexto Mundial que organizamos em Viana, o terceiro em anos consecutivos e temos registado um crescimento no número de atletas, divulgação e público, pelo que é, garantidamente, uma aposta ganha e para continuar.”

Aproveita para recordar a entrevista exclusiva com Tristan Roberts, concedida à Vert Magazine recentemente. 

Comentários