Miguel Adão, de 22 anos, bodyboarder da Figueira da Foz, é um dos que dispensa apresentações, pois, além de já ter alguns títulos sob a sua alçada (Campeão Nacional Sub-12, Sub-14, Sub-16 e Sub-18; Vice-campeão Europeu Sub-16; Campeão Europeu Sub-18; Vice-campeão mundial junior 2014), é também um dos mais fantásticos na água e nos últimos anos tem sido um dos fiéis representantes lusos no circuito mundial. Eis o que nos contou um destes dias. 


Olá Miguel, como é que estás?

Boas, muito bem e muito contente por estar a começar uma nova jornada juntamente com esta grande e jovem marca que está a apoiar o mundo do bodyboard. Estou desejoso de começar a trabalhar com a Wildsuits e tenho a certeza que vão acontecer muitas coisas boas.

O que tens feito nos últimos tempos?

Este ano tem sido um ano diferente para mim, porque voltei a estudar e estou a tirar um curso de Design Gráfico. Tem estado a correr muito bem e continuo a conseguir muitas oportunidades para surfar.
Acho que foi um inverno muito bom, tive muitas boas surfadas na Praia Norte, Supertubos, Carcavelos, Ericeira, e por aí fora. Sinceramente, não tenho treinado muito fora de água. Pratico Jiu-Jitsu, mas com a quantidade de vezes que andei a surfar por semana o meu corpo não conseguia mais. Mas o importante é não estarmos parados, por isso não me arrependo.

“(…) o Bodyboard a nível Nacional está melhor que há uns anos atrás”

O que achas do bodyboard em Portugal e como pensas que irá evoluir?

Neste momento acho que o Bodyboard a nível Nacional está melhor que há uns anos atrás. Sem dúvida que a Joana Schenker tem feito um trabalho espetacular e que nos tem ajudado muito nesse aspeto. Em relação a campeonatos acho que também houve uma melhoria e temos que dar todo o mérito às pessoas que estão a trabalhar por isso. Temos de aproveitar todas as oportunidades que conseguirmos para crescer.

Quais foram as melhores coisas que o bodyboard te trouxe até hoje?

Acho que na minha carreira até agora tive milhares de coisas boas, desde títulos que ganhei, conhecer novas culturas, viajar pelo mundo inteiro, mas sem dúvida que para mim ao longo destes anos todos o que me deu mais prazer foi representar Portugal nos campeonatos pela Seleção Nacional. Acho que, para qualquer atleta, representar o país é um orgulho enorme. Em 2014 consegui, sem dúvida, o meu melhor feito até hoje e fui Campeão Europeu Sub-18 em representação da Seleção Nacional.

“(…) com a quantidade de vezes que andei a surfar por semana o meu corpo não conseguia mais”

Preferes competições ou free surf?

Neste momento free surf. Quando era mais novo tinha muito a garra de competir e de dar tudo por tudo, mas agora estou mais focado no free surf, apesar de não conseguir parar de competir e de este ano estar a ser um bom ano para mim a nível de resultados.

Acabaste de assinar com a Wildsuits, podes falar-nos sobre esta escolha e como é que aconteceu?

Sim, e estou muito contente e motivado com esta nova parceria. Eu conheci o Olivier há cerca de dois anos e não fazia a mínima ideia que era ele o dono da Wildsuits quando o conheci. Comecei a ver muitos amigos meus a utilizar os fatos e alguns deles a entrarem na marca o que me chamou a atenção. Com o passar do tempo ouvia toda a gente a falar bem dos fatos da Wildsuits e a imagem deles agradou-me muito. Quando vim a saber que era o Olivier que estava por detrás da Wildsuits não tive problema nenhum em pedir-lhe uma oportunidade para fazer parte da equipa. E foi esta a história. Fiquei ainda mais contente quando ele me disse que sim e que até ele próprio já tinha pensado em mim para entrar na equipa da Wildsuits, antes mesmo de eu lhe fazer a proposta.

“(…) o que me deu mais prazer foi representar Portugal nos campeonatos pela Seleção Nacional”

Tens alguma surf trip planeada?

De momento não tenho nada planeado, mas sem dúvida que os meus próximos destinos vão ser México e África do Sul para fazer um visita ao Tristan Roberts, que também faz parte da equipa da Wildsuits.

Muito obrigado Miguel. Há mais alguma coisa que gostasses de partilhar com os leitores?

Só queria deixar aqui um muito obrigado à equipa da Vert magazine, à JG Boards e à Wildsuits por esta grande oportunidade e dizer para estarem todos atentos porque vão surgir aí muitas novidades. Acreditem sempre nos vossos sonhos e boas ondas para todos. BE WILD!


Fotografia: João Serpa (ação) & Nuno Nóbrega (retrato e foto de topo) 

Comentários